http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/434f3e7f97922e2f13bb52752bc86f56.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Azeite batizado, é muito comum!

Azeite batizado, é muito comum, já vai disparando o chef Marcelo Scofano num encontro promovido pelos azeites Gallo com a imprensa.

 

A elaboração de azeites de qualidade é fato recente. Data de 1991 a instrução normativa que classifica os azeites como eles são feitos hoje, regulamentados pelo Conselho Oleícola Internacional.

 

Também é recente a consciência das nuances sensoriais do azeite, embora a elaboração do azeite date de 6 mil anos!

 

Tradicionalmente a azeitona era triturada e prensada numa pasta que extraia o óleo e a água da azeitona, separadas  por decantação. Houve um período de "pisa" (como nos vinhos) e depois vieram as pedras mós empurradas por escravos e animais, hoje por energia elétrica. 

 

 

E é o italiano quem tem a maior tradição no mundo do azeite. Já na Idade Média  existia na Itália o mestre frantogliano. Frantogliano é o lagar em português, portanto, era o mestre lagareiro. 

 

 

Enquanto Itália e Portugal mantêm a tradição, a Espanha praticamente inovou e está bem à frente e pratica a produção intensiva. 

 

 

Os mitos do azeite no Brasil

 

Dois mitos subsistem no Brasil:

1) A insistência em colocar a acidez como referência. 

O azeite pode ser frutado, picante ou amargo ou doce, mas a acidez não vale como parâmetro de escolha.

 

2) A teimosia de acreditar que azeite não pode ser aquecido. 

Aquecer é bom e possível e faz bem para o colesterol. Pode fritar com azeite, pois agrega sabor e reduz a gordura.

 

 

As dicas 

  1.  O ideal é abrir o azeite e consumir em 15 dias em um país tropical como o nosso. Ou guardar o azeite em adega de vinho.
  2. O azeite não deve ser envelhecido, pois morre.  Os inimigos do azeite são o calor, a luz e o oxigênio. 

Azeite extra virgem exposto ao oxigênio passa a virgem, meramente virgem, o extra vai embora.

 

 

Notas de degustação dos Azeites Gastronômicos Gallo

 

Faça a harmonização por semelhança, sempre na finalização do prato. 

 

 Azeite Novo Gallo

Aromas herbáceos, frutados. Em boca é macio, picante. Suave e com fluidez.

Sugestão carnes grelhadas no pós grelhado e pratos condimentados. Bacalhau português

Chocolate amargo com azeite novo e flor de sal. 

 

 

Colheita Madura Gallo

Frutas secas no nariz. Em boca, picância e maior textura ou densidade. 

Sugestão em sobremesas e doces tais como cocada, doce de abóbora e queijo de minas e coberturas de sorvetes.

 

 

Grande Escolha Gallo

Trata-se de um corte de azeitonas de maturidades distintas. 

Frutado médio. Em boca, picância.

Sugestão: peixe como linguado, robalo e saladas verdes

 

 

Colheita ao Luar Gallo

Frutado delicado

Em boca mais intenso; e grau de amargor e picância maiores com boa persistência. 

Sugestão: confitar o bacalhau neste azeite (cozimento em gordura sob temperatura controlada sem deixar ferver). 

 

Preço nas lojas especializadas: R$40.

 

Aproveite a variedade oferecida pela Gallo e finalize seus pratos de acordo com as características de cada um. Vale a pena!

 

 

 

 





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco