http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/434f3e7f97922e2f13bb52752bc86f56.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Vinhos franceses: tradição ou inovação?

 

 

Por Guto Martinez com Silvia Cintra Franco

 

 

Com preços para todos os bolsos e vinhos para todos os gostos, ficou evidente que o Velho Mundo, e mais especificamente a França, ainda atende muito bem a todos os públicos, dos iniciantes aos iniciados, sempre com total atenção à qualidade de seus produtos. 

 

Culpa de quem? Da World Wine que organizou no Rio e S. Paulo a apresentação de seus vinhos franceses. Cativantes!

 

 

A tradição na produção vitivinícola francesa é notória, remontando ao séc. VI a.C., o que se traduz numa experiência praticamente sem rivais, mas a grande quantidade de nomes dedicados à produção biodinâmica e natural não deixa dúvidas: há sempre como melhorar. 

 

 

Dentre os grandes vinhos apresentados ao mercado brasileiro, cabem destacar alguns dos mais tradicionais nomes, como a Famille Perrin (Rhône e Provence), que levou seu Châteauneuf-du-Pape “Les Sinards”, referência mundial de qualidade entre os vinhos naturais, e a Laroche (Bourgogne), cujos Chablis são referência em sua categoria.

 

 

Mas mesmo dentro de conceitos já tão definidos e de uma qualidade tão marcada, é possível ainda nos surpreendermos com as novas gerações de produtores, que reproduzem seus conceitos, interpretam os métodos e dão vida a grandes produtos.

 

 

Uma delas, a disputadíssima Philippe Pacalet, vinícola da Bourgogne que segue a filosofia orgânica e biodinâmica, conforme declarou em entrevista, e abdicou do uso de sulfitos. Os resultados não poderiam ser melhores: desde um Meursault muito denso e equilibrado a um elegantíssimo Pommard merecedor de 90 pontos dados por Robert Parker. Este produtor atraiu todas as atenções do evento e deixou o público ávido por uma prova!

 

 

Outra grande surpresa da noite, e que deixou uma sensação de “ame ou odeie”, foi a Clos du Tue-Boeuf, produtor do Loire cujos vinhos são rústicos, sem passar por filtragem. Seu Touraine “Le Buisson Pouilleux”, feito de Sauvignon Blanc, é altamente alcoólico (14,5º), cheio de personalidade e de aromas naturais frutados, herbáceos, frescos e pungentes, e atraiu muita gente.

 

 

Se a lotação não bastar para demonstrar o sucesso que foi o evento organizado pela World Wine, a enorme quantidade de garrafas servidas pode comprovar o óbvio: sempre haverá uma enorme procura por produtos de qualidade superior.





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco