http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/434f3e7f97922e2f13bb52752bc86f56.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Brasil inaugura The World’s Icons Judgment de Viña Errazuriz

Comprovado: Don Maximiano, Seña e Chadwick são vinhos de classe mundial com potencial de guarda!

 

Por Silvia Cintra Franco

 

Aconteceu em São Paulo, na quinta, dia 5 de julho , o “The World’s Icons Judgment”, uma degustação às cegas, na linha da famosa Cata de Berlin, organizada por Eduardo Chadwick, de Viña Errazuriz e Seña.

 

A Cata de Berlin aconteceu em janeiro de 2004 e pôs o vinho chileno no mapa mundi dos grandes vinhos.

 

Nos anos 90, Eduardo Chadwick, presidente de Viña Errazuriz e Seña, sentia se frustrado, porque ninguém dava bola para os vinhos do Chile, solenemente ignorados pela crítica mundial.

 

Organizou então uma prova às cegas em busca de reconhecimento internacional, inspirado na de Paris de 1976, quando se reconheceu a qualidade dos vinhos da Califórnia. Era o primeiro The Berlin Tasting. Foram chamados os críticos mais influentes para escolher os melhores vinhos numa prova às cegas. Surpresa! Deu vinho chileno na cabeça e o Don Maximiano e Seña entraram no mapa do mundo. A série Berlin Tasting reconheceu Seña como um grande bordalês chileno e Chadwick, o melhor cabernet sauvignon.

 

A The World’s Icons Judgment, segunda degustação ou cata em São Paulo (a primeira foi em 2005) reuniu 70 jornalistas, sommeliers e críticos de todo o país para degustar e avaliar às cegas doze grandes vinhos como Tignanello, Margaux, Mouton além de Don Maximiano e Seña. Para São Paulo vieram nomes importantes do jornalismo de vinhos como Oscar Daudt, do Rio de Janeiro.  

 

Desta vez a ênfase está na demonstração de que, além de qualidade, o vinho chileno possui potencial de guarda de classe mundial, uma característica primordial dos grandes vinhos.

 

Os resultados

 

Conduzida pelo próprio Eduardo Chadwick, presidente da Viña Errázuriz, o evento contou ainda com dois mediadores de peso do mercado brasileiro: Jorge Lucki e Marcelo Copello.

 

A degustação colocou às cegas os vinhos Viñedo Chadwick, Don Maximiano Founder’s Reserve e Seña, ao lado de clássicas safras dos Grands Crus de Bordeaux e Super Toscanos, com o objetivo de comprovar seus potenciais de guarda.

 

Entramos no salão e os vinhos já estavam ali colocados. A prova contou com auditoria da ABS e devíamos selecionar 3 vinhos como os melhores das doze nas taças à nossa frente.

Os resultados foram:

1° lugar: Château Margaux 2001, França

2° lugar: Seña 2007, Chile

3° lugar: Don Maximiano Founder’s Reserve 2009, Chile

4° lugar: Château Mouton Rothschild 1995, França

5° lugar: Château Latour 2007, França

6° lugar: Seña 2010, Chile

7° lugar: Viñedo Chadwick 2000, Chile

8° lugar: Don Maximiano Founder’s Reserve 1995, Chile

9° lugar: Don Maximiano Founder’s Reserve 2005, Chile

10° lugar: Sassicaia 2000, Itália

11° lugar: Seña 2000, Chile

12° lugar: Tignanello 2009, Itália

 

Don Maximiano Founder’s Reserve é importado pela Vinci, Seña pela Expand e Viñedo Chadwick pela Decanter.

         

O evento teve uma relevância especial, uma vez que lançou na América Latina a nova etapa da iniciativa educacional de Viña Errázuriz, que promoverá o reconhecimento internacional da qualidade e do potencial de guarda dos vinhos finos chilenos.

 

Eduardo Chadwick nesta degustação provou seu ponto: em minhas anotações, o vinho número 3 é um vinho jovem, redondo sim, mas que pede tempo e com grande potencial de guarda. Tratava-se do Viñedo Chadwick 2000 ainda jovem com 13 anos de idade! Merecidamente um ícone, assim como Don Maximiano e Seña. Vinhos para comprar e guardar!

 

Quer saber mais?

Esta experiência foi recriada 15 vezes nas principais capitais do mundo – incluindo São Paulo em 2005, como o segundo Berlim Tasting da história - comparando safras mais recentes em cada ocasião. Este evento constituiu um programa internacional de Viña Errázuriz para promoção da qualidade do vinho chileno e posicionamento do Chile entre as grandes apelações mundiais de vinho. Os resultados foram muito positivos, pois os mais renomados degustadores do planeta sempre elegeram os ícones chilenos, como número um dentro dos cinco primeiros lugares, contribuindo assim ao crescente reconhecimento internacional frente a qualidade dos vinhos e terroirs chilenos.

 

Viña Errazuriz data de 1870 e hoje é presidida por Eduardo Chadwick, que foi em 1985 a Bordeaux estudar com prof. Emile Peynaud, já aposentado. Viajou o mundo inteiro para ver como se fazia vinho ao redor do mundo e voltou ao Chile para fazer vinhos ícones.

A bodega Viña Errazuriz está junto ao Aconcágua, o monte mais alto do Ocidente. Seña é uma parceria com Robert Mondavi e hoje 100% Errazuriz. Foi o primeiro vinho chileno de classe mundial, Seña 1995, parceria com Robert Mondavi e primeiro joint venture internacional da indústria do vinho chilena.


O Viñedo Chadwick foi plantado no campo de pólo do pai em 1993 e assim nascem o vinhos Chadwick como tributo a Alfonso Chadwick Errazuriz.

Kai é um carmenere  lançado em 2005. Kai em mapuche significa planta, uma que exige longo tempo de maturação.



 





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco