http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/0ebfed7b22d146d4cabdd13b7eb9dafc.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Vinho não é nota. Vinho é emoção e mistério

Vinho é mistério, vinho é emoção

 

Silvia Cintra Franco

 

Se Guernica de Picasso e Vitória de Samotrácia fossem vinhos, que nota você lhes daria? 100 para Guernica e 95 para Samotrácia porque lhe falta a cabeça ou 90 para Guernica porque tem cabeça demais?

 

Tive a oportunidade de visitar a Quinta de Monte D’Oiro, Estremadura, de José Bento dos Santos em 2009. José Bento faz parte de uma classe especial de homens dedicados ao vinho. Vai além da produção: é um homem culto de coração arrebatado. Um caso feliz em que a cultura vai de mãos dadas com a paixão. A entrevista é tão interessante e apaixonada que não me foi possível fazer todos os cortes necessários para reduzi-la a assépticos 3 minutos.

 

Nela, José Bento discute o caráter transcendental, cultural, histórico e de civilização do vinho, que nas últimas décadas foi reduzido a números e a uma análise redutora que verifica apenas qualidades químicas e organolépticas. É o conceito americano de que avaliação se faz por evidência (no que estou de acordo sempre que se tratar de ciência), isto é, números e estatísticas são a única coisa que importa.

 

As notas inflacionaram o valor monetário e empobreceram o valor cultural e transcendental do vinho. Não sem razão, o sítio da Quinta do Monte D’Oiro abre com esta inscrição: “Por detrás de cada vinho, esconde-se uma história, um gosto, uma cultura, um sonho.” E é isto que todos procuramos quando tomamos um vinho: um gosto, uma satisfação, uma boa companhia.

 

Realmente, como dizia Émile Peynaud, a análise fria é necessária para avaliar as qualidades intrínsecas do vinho – seja como produtor seja como crítico. Infelizmente, como diz o ditado americano: jogou-se fora o bebê junto com a água do banho. Os números acabaram por reduzir a transcendência, o prazer e a emoção de uma bebida que jamais é igual a si mesma. Cada garrafa de vinho é diferente de outra, embora o vinho seja da mesma safra e produtor, pois o vinho na garrafa, como ser vivo, evolui e amadurece à sua maneira e a seu próprio tempo. O mistério do vinho está em analisá-lo como um todo, declara – com razão –José Bento dos Santos.

 

José Bento dos Santos  também compara vinhos à música. Há canções deliciosas cujas melodias são simples e encantadoras. Assim são muitos dos vinhos simples que encantam e emocionam. Entretanto, a música mais elaborada de um Mozart e de um Beethoven – assim como os vinhos mais complexos- também encanta e seduz. Mas exige uma bagagem cultural prévia.

 

A Quinta do Monte D’Oiro é uma excelente vinícola, conta com as 4 estrelas do guia 2011 do crítico britânico Hugh Johnson. Todos seus vinhos são bons, basta descobrir quais deles lhe darão maior prazer. O branco Madrigal, os tintos Têmpera, Lybra, Aurius e o Reserva 2006, todos importados pela Mistral. Uma dica: o Lybra (à base de syrah) é um belo vinho de excelente relação preço qualidade. WWW.mistral.com.br





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco