http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/434f3e7f97922e2f13bb52752bc86f56.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Perrier-Jouët: A Primavera Líquida

8 de outubro de 2015

 

 

Por Guto Martinez

 

 

Desde a coroação do primeiro rei francês, os vinhos da região de Reims são utilizados para brindar ocasiões importantes, mas foi com a união de um casal apaixonado que surgiu uma das maiores obras de arte da região de Champagne: a Maison Perrier-Jouët.

 

 

Com vinhedos cuidadosamente tratados como jardins, num rigor alemão, mas com a paixão francesa de se fazer vinhos, o casal Pierre-Nicolas Perrier e Adèlaïde Jouët fundaram a casa no ano de 1811, que ficou marcado pela passagem do Cometa Halley e por ter sido excelente para a produção de Champagne. Quatro anos mais tarde, já exportavam para a Inglaterra, o grande mercado consumidor.

 

 

A história da casa ficou, desde então, ligada à mesma paixão pelas artes que possuía o casal: a Maison Belle Époque, onde viveram, é hoje a maior coleção de Art Nouveau particular do mundo, e foi convertida num museu aberto ao público, sendo que a garrafa da Belle Époque foi pintada pela primeira vez em 1902 por Emile Gallé; e até hoje a Perrier-Jouët possui diversas colaborações artísticas, que vão desde a elaboração de suas caixas até a colaborações com novos talentos - Vic Muniz produziu uma belíssima customização com um beija-flor em uma edição da Belle Époque Rosé 2005.

 

 

Mas é dentro da belíssima garrafa florida que se encontra o que de melhor podemos esperar de uma Maison da Champagne: marcada por aromas florais, além de notas cítricas e de avelãs comuns aos vinhos da região, a Perrier-Jouët foi definida por Richard Juhlin como "a primavera em versão líquida", notadamente refrescante e com acidez marcante e equilibrada.

 

 

Foi ela, aliás, que produziu o primeiro Brut da região, inovando ao retirar o excesso de açúcar da bebida e deixando seu sabor mais semelhante ao que conhecemos, mas sem abandonar as suas tradições: a marca segue a mesma proporção no corte das uvas de cada uma de suas bebidas desde a sua fundação. E só produz Brut!

 

 

Toda a história e paixão que revolvem em torno dessa que é uma das mais elegantes produtoras de Champagne se revelam, principalmente, quando se abre uma garrafa e se percebe que a experiência aliada à paixão de um casal por um vinho atinge o status da mesma arte a que faz referência, e por isso a delicadeza da Perrier-Jouët encanta a todos!

 

 

Notas de Degustação

 

 

Perrier-Jouët Grand Brut !

 

Feito com 20% Chardonnay, 40% Pinot Noir e 40% Pinot Meunier, ele passa 3 anos de amadurecimento em cave. Claro e límpido, com borbulhas muito finas e constantes, formando uma bela e persistente coroa. O nariz é bastante floral e cítrico, com toque mineral, como esperado, mas com toques de levedura (brioche) e manteiga. Em boca, a acidez é bastante marcada e o torna muito refrescante. Muito vivo e com boa persistência, a boca reflete o aroma.

 

Belle Époque 2004 !!

 

Leva 50% de Chardonnay, 45% de Pinot Noir e 5% de Pinot Meunier na sua composiçã, e fica por 5 a 6 anos em cave para amadurecer. Feito sem a adição de vinho reserva, sua fermentação é 100% de malolática. No caso desta safra, o dégorge foi feito em 2005-2006, ou seja, foi quando se iniciou a segunda fermentação. Em taça, é levemente amarelado, e possui um perlage mais intenso que o Brut, mas também muito fino, apresentando também uma coroa muito fina. No nariz, as frutas estão mais maduras e os aromas de levedura são mais evidentes, como um pão mais tostado, demonstrando ainda frutas secas, semelhantes a macadâmias. Em boca é muito exuberante, ainda muito vivo, com a acidez marcante. Persistência muito longa, o que é inegável traço de sua qualidade. É, sem dúvida, uma verdadeira obra de arte!

 

Blason Rosé !

 

No caso deste vinho, a composição é de 25% Chardonnay, 50% Pinot Noir e 25% Pinot Meunier, com 3 anos de amadurecimento mínimo em cave. Em taça, sua cor é um rosado claro com um toque de casca de cebola, apresentando também perlage muito fino e constante. Os aromas aqui são mais  frutados que florais, com frutos vermelhos (cerejas, framboesa, morango), romã, toranja rosada, frutos brancos (peras), e as flores também já são avermelhadas (rosas). Em boca, ele demonstra seu potencial gastronômico com a acidez equilibrada e muito presente, acompanhada de sabores florais suaves. Final bastante mineral, quase salino, muito saboroso, mas ainda delicado e suave.

 

 

A Perrier-Jouët é do Grupo Pernod Ricard, e pode ser encontrada em lojas especializadas.





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco