http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/93e048c28deae8015adbfe8c96fbefa9.jpg


Promoções

http://vinhoegastronomia.com.br/userfiles/0ebfed7b22d146d4cabdd13b7eb9dafc.jpg








Enoblogs - blogs unidos pelo vinho

Vinícola Masi: Disseminando a cultura do Vêneto

 22 de julho de 2015

 

 

Por Guto Martinez

 

 

Reconhecida como uma grife no mundo dos vinhos italianos, a história da Agricola Masi se mistura à história da vinicultura do Vêneto, e mais especificamente da região de Valpolicella. Mas longe de se acomodar numa zona de conforto, a vinícola comandada por Raffaele Boscaini atravessou o Atlântico, e trouxe na bagagem seu mais precioso know-how: a técnica da passificação, utilizada na produção do Amarone.

 

 

Aliás, um dos epítetos mais comuns a acompanhar o nome da vinícola Masi é o de Rei dos Amarones, justificadamente originado de sua liderança e da alta qualidade de seus vinhos, mesmo com uma produção de 3,4 milhões de garrafas. O Gambero Rosso, aliás, atribui seus trè bicchieri rosso, honra máxima, ao Vaio Armaron Serègo Alighieri 06, e outros due bicchieri a mais seis vinhos. 

 

 

A região eleita pela Masi na aplicação de sua técnica de passificação (ou apassimento) no Novo Mundo foi em Tupungato, na parte mais elevada do Valle de Uco, em Mendoza (Argentina), com seu clima semi-desértico. Uma das consequências dessa diferença ao clima da Valpolicella está no tempo necessário para passificar as uvas: são apenas alguns dias, no máximo duas semanas, ao contrário dos longos meses de espera na sede.

 

 

O resultado dos vinhos feitos com uvas passificadas ou pelo ripasso inventado pela própria Masi, na qual uma segunda fermentação é estimulada ao se acrescentar 25% de uvas desidratadas ao vinho-base, é um vinho mais complexo, aveludado e bem-acabado, que mantém os sabores e aromas de frutas por longos períodos, mas confere mais corpo, açúcar e, consequentemente, álcool.

 

 

Outra característica dos vinhos da região é perceptível no olfato: um delicioso aroma de violetas que complementa as demais notas aromáticas de frutos vermelhos e negros característicos, que se mistura à baunilha, cacau e café obtidos dos 25 meses obrigatórios de passagem em carvalho.

 

 

A região de Valpolicella certamente ganhou qualidade em relação à antiga produção de vinhos que eram mais facilmente identificados com prateleiras de antigas cantinas, e hoje o mercado brasileiro tem acesso a um produto mais complexo, refinado e elegante. E, com uma vinícola cuja história se mistura à da maior região produtora italiana e já ultrapassa suas fronteiras nacionais, é fácil de se imaginar que cada garrafa é um tributo a essa história.

 

 

Os vinhos da Masi ficaram ainda melhores na harmonização realizada no Terraço Itália, na presença do enólogo Vincenzo Protti.

 

 

Notas de Degustação

 

 

Mais Tupungato Passo Blanco

Vinho branco feito de Pinot Grigio e Torrontés, possui muito frescor e vivacidade, com aromas de frutas amarelas (pêssego), tropicais (abacaxi, lichia), flores brancas e sílex. Seu teor alcoólico de 15,5%  pode enganar os menos avisados, mas por se tratar de um vinho aromático e com boa acidez, ele encontra seu equilíbrio.

 

 

Masi Bonacosta Valpolicella 2011

Um vinho ainda jovem, mas muito atraente. Nariz com frutas vermelhas e negras, violetas, orquídea-chocolate, seiva, eucalipto e especiarias doces (cravo, baunilha, anis-estrelado). Vivaz, com acidez gastronômica, possui boa persistência com taninos finos, além de uma suave picância. Embora já esteja pronto para consumo, poderá se beneficiar de mais algum tempo para atingir seu auge.

 

 

Masi Tupungato Passo Doble 70% Malbec/ 30% Corvina

Um tinto mais terroso, amadeirado, este corte entre a uva mais disseminada da Argentina e a uva principal dos Amarone possui aromas de ameixas pretas, humus e funghi. Possui  acidez gastronômica e boa persistência.

 

 

Masi Brolo di Campofiorin 2009 - !!

Estrela da noite, este é um vinho claramente pronto para se beber. As frutas negras (cerejas, amoras negras) se misturam a violetas, com couro, humus, cacau e tabaco, com muita complexidade. Os taninos aveludados são perceptíveis mesmo com seu corpo denso, e o teor alcoólico é amenizado pela intensidade da fruta em boca. Um vinho harmonioso, aveludado, redondo e muito sedutor.

 

 

A Mistral se encarrega de importar os vinhos da Masi ao Brasil, e é possível comprar diretamente pelo site www.mistral.com.br





Sobre o vinho e gastronomia Anúncie Segurança e Privacidade Trabalhe na V&G Comunicar Erros Redes Sociais Fale Conosco